quinta-feira, 27 de maio de 2021

 L., MM., O., P., R, MT.... J... M...

já passou tanta coisa, vi partir-vos no meio da pandemia, consegui acompanhar-vos, dentro do que podia. sei que me deram, bem mais do que eu vos dei e para sempre vos recordarei.
L, o teu filho tornou-se o meu anjinho da guarda no meio da pandemia. 

MM. consegui preparar a tua roupa com os pormenores que tu gostavas. O., senti o amor dos teus filhos por ti. 

P., riqueza com quem puderei peganhar e falar das matanças do porco e rir rir?!

J... sinto a tua falta no banco da frente na hora da missa. quem vai reclamar comigo para ler a defesa? quem vai querar as pagelas dos santinhos? estou a cuidar da tua G. 

M. e agora com quem partilho as alegrias do nosso sporting? quem me surpreenderá com as aulas de historia ou politica?

*obrigada por me ensinarem e mostrarem tanta coisa.*

olhem sempre mim, pode ser?

 "

A vida é pra valer

E não se engane não, tem uma só
Duas mesmo que é bom ninguém vai me dizer que tem sem provar muito bem provado
Com certidão passada em cartório do céu e assinado embaixo
Deus, e com firma reconhecida
A vida não é brincadeira, amigo
A vida é arte do encontro embora haja tanto desencontro pela vida
Há sempre uma mulher (um homem)  à sua espera
Com os olhos cheios de carinho
E as mãos cheias de perdão
Ponha um pouco de amor na sua vida"

quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Celélé

"leva-me ao céu..."
nos últimos dias pedias para ir ter com os teus pais e com o teu irmão.. esforcei-me, para te mostrar que ainda fazias cá falta.
és inteligente, culta, historiadora, crítica feroz das politiquices que inventam para estragar a vida aos velhotes. apreciadora de um bom pitéu e defensora fervorosa que os velhinhos deviam comer um cozido à portuguesa todas as semanas.
timidamente deixaste-me entrar na tua vida, confiavas-me a chave da tua casa palácio, para te ir buscar as coisas que tu querias. permitiste-me mudar-te o look e tornar-te um pouco vaidosa. aceitaste inclusive que o santo António desce-se em mim e te arranja-se uma pseudo história amorosa com o homem das libras :-) 
deteste-me conselhos fantásticos e sei que muitas vezes, vinhas só fazer-me uma visitinha, para estarmos a tagarelar. 
serás sempre a minha Celélé. 
terei saudades do capuchinho vermelho.

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

tributo

foste e és minha e eu sei que era tua.
a forma como me olhavas, demonstrava que tomavas conta de mim, percebíamo-nos muitas vezes, sem que tivéssemos que trocar muitas palavras.
adorei aprender a fazer cornucópias contigo, ensinaste-me a fazer arraiolos, podia ajudar-te na tua renda e na tua malha. sentia-me tua neta e querida por ti.
teimei querer achar um nome para os teus sintomas e diligentemente, conseguimos encontrar o mal e fazer com que ele não te desse tantas dores e mal estar.
partilhaste comigo as tuas dores, o teu trajecto.. mas sabes na igreja, quando nos sentávamos ao redor do altar, eu esquecia-me da tua idade e tu da minha e estávamos ali em comunidade.
conheci-te e só posso agradecer por teres vindo à minha vida e me ensinares tanto. obrigada por te ter conhecido, não te esquecerei minha querida M. J.
no dia antes de partires disseste-me: Se Deus quiser pode vir-me buscar!
olha por mim!*

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

"Ele não te pede nada
sem te dar a graça
que precisas para o cumprir."

na turbulência dos dias que parecem não ter fim, Deus manifesta a sua mão poderosa, diria mais reconfortante.
o telemóvel toca..
"já não a vejo há tanto tempo.. quando vem cá?"

no meio duma reunião de trabalho.. saem nomes de pessoas amigas. 

da secretaria onde me empenho e esforço a querer fazer mais e melhor, 
olho para Ti e peço-Te que nunca me esqueça da garantia e da certeza da Tua presença na minha vida
e agradeço-te por ser mais conTigo!*



quinta-feira, 23 de agosto de 2018

ainda não parei, para me dar conta que partiste.

no dia que foste para o hospital, senti uma necessidade de remexer na gaveta e tocar na cruz que me havias dado faz tempo. olhei e sorri. para sempre me lembrarei de ti, dos teus lenços de seda, do teu perfume, do teu cabelo sempre arranjado.

alegrava-me sempre que vinhas a nossa casa. os teus beijinhos repenicados.

da ultima vez que te vi, dei-te o almoço como tu fazias à tua menina.

querida prima guarda-me daí ternamente. dá um beijo por mim à minha avó C. e à tia R.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Sr. C.

entoavas as modas de cante alentejano e emocionavas-te ao fazê-lo.
viste partir a tua A., mas hoje sei que a voltaste a encontrar.
o trabalho marcou a tua vida.
foste nosso, apenas nos tinhas a nós. consegui levar-te para a terra que ainda te alegrava o rosto, quando pronunciava o seu nome.
agora que estás com a A. olhem daí por mim.*